É preciso repensarmos sobre a atuação pedagógica no cenário atual e levar em conta aspectos da inclusão da cultura digital e da inovação tecnológica na educação.


  1. Educação sem hora e sem lugar marcado: um novo lifestyle
  2. A sala de aula startup
  3. A jornada educacional é viva, participativa e conectada
  4. Food for thought

Ainda que aproximadamente 40% da população mundial não tenha acesso à internet, muitos alunos e fornecedores de soluções pelo mundo já estão vivenciando o "learning anywhere, anytime". Em 2020, o Google lançou seu recurso de realidade aumentada que ganhou ainda mais popularidade no início da pandemia, justamente entre os pais que estavam ensinando seus filhos em casa por conta do isolamento social.

Segundo análise do Fórum Econômico Mundial, a pandemia alterou a forma como milhões de pessoas são educadas globalmente ao fornecer uma brecha digital para que novas abordagens e ferramentas sejam implementadas. No entanto, é necessário refletirmos para muito além do "mero" ensino à distância e focarmos nossa atenção para o uso da tecnologia e da inovação também com intencionalidade pedagógica, encontrando formas de educar que realmente dialoguem com as demandas do século XXI.

Veja a seguir algumas variáveis que compõem essa importante equação que remodelará o futuro da educação, principalmente no pós-pandemia!

Leia também: 👉 Futuro da Educação: 6 tendências que permanecerão pós-pandemia

Educação sem hora e sem lugar marcado: um novo lifestyle

inovacao tecnologica na educacao do ensino superior

Com a tecnologia 5G ganhando cada vez mais robustez em países como China, EUA e Japão, o ensino tradicional ganhará novas modalidades de aprendizado que irão desde transmissões ao vivo com "influenciadores educacionais" até experiências de realidade virtual (VR) e aumentada (AR).

De acordo com o Google: "esteja estudando anatomia humana ou comprando um par de tênis, as pessoas poderão interagir com modelos 3D e colocá-los no mundo real, diretamente do Google Search".

Atividades culturais e shows de diversos artistas começaram a se utilizar das famosas Lives assim que a pandemia estourou em 2020 e essa tendência, junto com as tecnologias imersivas, tem tudo para ser implementada também na educação.

A sala de aula startup

inovacao tecnologica na educacao sala de aula startup

Há uma nítida crise de engajamento dos alunos nas instituições de ensino. Pesquisas mostram que a maioria dos seres humanos não consegue reter a atenção por mais de 18 minutos e essa realidade é ainda mais complicada para crianças e adolescentes nascidos numa era cheia de estímulos.

De acordo com profissionais de tecnologia que atuam com educação, é necessário que a sala de aula se transforme numa espécie de startup. Desse modo, será possível trazer para a classe a capacidade de responder mais rapidamente e com mais qualidade às demandas do mundo.

Neste cenário, o educador vira o "CEO" da sala de aula, atuando como um mediador de experiências e os alunos são os empreendedores de um projeto de vida. Segundo esta visão de ensino, deve haver uma gamificação do aprendizado acompanhada de outras transformações profundas:

  1. O currículo escolar torna-se uma narrativa;
  2. As disciplinas passam a ser jornadas;
  3. As classes são substituídas por missões;
  4. As tarefas dão lugar aos desafios
  5. Os objetos instrucionais se transformam em objetos de aprendizagem.

A jornada educacional é viva, participativa e conectada

inovacao tecnologica na educacao jornada de aprendizagem

O fim da pandemia reforçará o debate sobre a importância da socialização e a consequente necessidade de adolescentes voltarem para as instituições de ensino. No entanto, os ambientes presenciais de colégios, restaurantes, lojas e outros terão que ser redesenhados para garantir o afastamento entre as pessoas e manter os cuidados com a saúde.

A universidade do futuro não será apenas um espaço físico onde os estudantes chegam para aprender matérias de um currículo obrigatório, mas será todo um portfólio de serviços que envolve sim um espaço para convivência entre os estudantes, que conta com uma infinidade de recursos e plataformas digitais capazes de conectar alunos, famílias, docentes e outros stakeholders nessa jornada de aprendizagem contínua e fundamentada em pilares que vão muito além do ensino voltado apenas para o vestibular e carreira.

Baixe o infográfico: 8 tendências de Soluções digitais para o Ensino Superior em 2022 👇

Nova call to action

Food for thought


O ramo da educação, nitidamente, não sairá ileso dessa pandemia. O atual "fluxo de vida" trouxe consigo novas possibilidades e novas demandas quanto a formulações pedagógicas.

O ensino à distância é só a ponta do iceberg. O "novo normal" será feito do processo de aprendizado integrado às rotinas diárias com disciplinas inovadoras, cheio de atividades online ao vivo e imersivas, tendo a sala de aula presencial como espaço propício para o pensamento criativo/empreendedor, além de uma jornada educacional full-time, que não se resume ao tempo gasto no colégio, mas que é construída na conexão e nas trocas entre alunos, professores e sociedade.

De que forma as mudanças decorrentes do atual cenário podem nos estimular a pensarmos em inovações tecnológicas para o ensino superior que vão além de aulas teóricas? Quais soluções a sua instituição de ensino pode oferecer para se tornar o principal player que responde às demandas educacionais de amanhã?

 

Laís Floriano
Laís Floriano

Pesquisadora de tendências e inovação que começou a carreira na área de marketing produto. Trabalha com inteligência de mercado, comportamento do consumidor e social listening. Gosta de misturar a beleza de Humanas com a precisão de Exatas. Adora viajar, estudar e atuar em projetos que envolvam empreendedorismo social. Atualmente é coordenadora de Research & Insights e líder do grupo de inclusão para pessoas com deficiência na Pearson Latam. Graduada em Administração de Empresas pela FGV-EAESP com ênfase em estratégia.

Inscreva-se em nosso Blog

Deixe um comentário

Posts relacionados